domingo, 20 de dezembro de 2009

Que assim seja.

Amar não é mais pecado.
Não em nosso tempo.

Quando te vejo todo branco,
tão alto em minha porta,
tão longe nos céus de minha agonia,
meus santos viram névoa
e os infernos que ameaçam,
viram sonhos de fumaça.

Não penso nos terços ou ave-marias,
tampouco nas hosanas que sobem em glórias.
Ignoro todos os catecismos e comunhões,
todos as abdicações e votos.

Tudo se mostra santo, e tudo é santo!

Tuas mãos percorrem meus cabelos
Véu de mártir viva...
E sou essência!
O gosto de teu corpo em minha boca
é pão e vinho, renovação...
E estou abençoada!
Sinto tuas coxas em minhas coxas e...

...sou mais uma Maria.
Mais uma Maria.

4 comentários:

  1. Lindo poema! E que da carne se faça o amor!

    ResponderExcluir
  2. Vc sabe surpreender, não é, Lála? Duvido que algum dia venha a ser mais uma Maria, mas em nome da beleza tudo será permitido. O amor floresce nas celas e confessionários...

    ResponderExcluir
  3. Excelente!! Lindo. Fiquei apaixonada pelo poema!!

    ResponderExcluir
  4. cara..vc sabe o quanto gosto dessa coisa de unir o sagrado ao profano..eu ia dizer uma coisa, mas é proibido pra esse horário, =P
    rsrs, adorei o poema

    ResponderExcluir

Quebre o silêncio!