quarta-feira, 4 de abril de 2012

Prematuro - Fabrício de Queiroz Venâncio

Poema muito bom de uma pessoa muito boa.


Prematuro

Fiz meu epitáfio aos oito anos,
quando então não tinha dentes
e mascava feito velho.

Pés escondidos sob a lama,
molhada pela chuva fina
que molhava a terra suja.

Gengivas encardidas: não havia sorriso;
costelas à mostra: não havia comida.

As mãos de parentes novos
cavaram a tumba;
meus pais estavam ausentes.

Ausente também estava o caixão:
cova rasa, não havia flores,
só último escarro como despedida.

Um comentário:

Quebre o silêncio!