quinta-feira, 11 de julho de 2013

História estendida da humanidade

Era a mulher e as mulheres eram nada.
Era a barriga, uma barriga toda inchada.
Era um útero maior que a mulher.
Era a vasilha, o copo sujo, a roupa seca.

Era um desastre, era a tristeza, era o tormento,
o esquecimento, a dor profunda, funda falta.
Era um corpo, era um cabelo, era uma faca
e na estaca se perdia a vida insossa.

Era um homem que era tudo e nada era.
A hera é ela, ela é o pecado, a maçã podre.
Era um deus, só eram deuses, são só deuses.

E é a culpa e o silêncio e a mortalha.


Mulheres Protestando. Di Cavalcanti, 1941.

Um comentário:

  1. Gosta que comentem? Ou acha estranho uns elogios mal-traçados? Gostei de tudo, ainda mais do ritmo. Só não concordo com essa história de dizer que os deuses eram machos...

    ResponderExcluir

Quebre o silêncio!