quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Certeza

Espero um trem.
Um troço qualquer que me desmembre,
que me desintegre na poeira para a qual eu devo voltar.
Espero que me carregue
- sentido único da minha mudança –
para o espaço, corpo de deus,
uma viagem de ida para o fim dos dias.
Para um início que eu não sei.

Os rumores de vida me doem,
pois constelam numa galáxia que não alcanço.
... e a afirmação é sempre mais doída,
quando se sabe da própria cegueira,
das cores que não se pode tocar.

No final, esse trem é apenas brisa.
(e cada lua é um não sei quê de partida…)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quebre o silêncio!