domingo, 11 de outubro de 2009

Encontros Literários: necessidade em Barreiras


Começaram no dia 2 de outubro, em Salvador, os Encontros Literários, uma atividade do Ponto de Cultura da Academia de Letras da Bahia. Trata-se de bate-papos com escritores, com leitura e discussão de textos previamente selecionados, objetivando a aproximação do público leitor com autores baianos, no oferecimento de uma visão panorâmica de nossa literatura atual. Os encontros irão de setembro de 2009 a dezembro de 2011. O coordenador do evento é o já consagrado Luís Antônio Cajazeira Ramos, e nos primeiros encontros já apareceram personalidades importantíssimas do campo literário baiano: no dia 02/10 o bate-papo foi com Ruy Espinheira Filho e Maria Lúcia Martins, com comentários de Lígia Telles e Valdomiro Santana. Dia 06/11 será com Luís Henrique Dias Tavares e Adelice Souza, com comentários de Cássia Lopes e João Eurico Matta. No dia 04/12, preparem-se: ninguém menos que Myriam Fraga, seguida do fenomenal Ildásio Tavares, ambos poetas consagrados na Literatura Baiana.

Aqui em Barreiras vai demorar um pouquinho pra que eventos como este aconteçam. Os autores daqui são pouco conhecidos, e quando conhecidos, menosprezados, por serem da terra. Bom, não vamos esperar que eles virem artistas comerciais para podermos conhecer suas obras. São bons poemas e músicas, alguns já publicaram livros ou gravaram CD’s, como é o caso de Clebert Luís e Antônio de Pádua. Outros são totalmente populares; undergrounds, eu diria. Recitam seus versos ou cantam suas músicas em bares e praças, espalhando no vento a cor de suas palavras.

Talvez seja bom descermos do carro e andar nas praças e bares, de vez em quando, escutando as vozes, reconhecendo as pessoas, seus gestos. Essa é a melhor forma de entrar em contato com a arte: observando-a onde ela é criada, onde ela possui importância. Nem sempre os livros e discos são tão emocionantes como uma récita em plena praça pública, feita pelo próprio autor. Nem sempre.

Um comentário:

  1. Janara,

    É possível, com baixo custo e bastante boa vontade, fazer eventos que ponham o autor e a comunidade cara-a-cara. Cito dois exemplos: Uma Prosa Sobre Versos (em Maracás) e Travessia das Palavras (em Jequié).
    Você poderia ser a coordenadora de um projeto assim. Se tiver interessada, mande-me um e-mail que eu lhe passo mais informações.

    ResponderExcluir

Quebre o silêncio!